Home > Prática > Mediunidade > Mediunidade

Mediunidade

Para conhecer as coisas do mundo visível e descobrir os segredos da natureza material, Deus concedeu ao homem a vista corpórea, os sentidos e instrumentos especiais. Com o telescópio, ele mergulha o olhar nas profundezas do Espaço e, com o microscópio, descobriu o mundo dos infinitamente pequenos. Para penetrar no mundo invisível, Deus lhe deu a mediunidade (KARDEC, Allan. O evangelho segundo o espiritismo, cap. XXVIII, it. 9).

O aprimoramento da faculdade mediúnica deve merecer especial atenção dos dirigentes da Casa Espírita.

O primeiro passo é oferecer condições para a formação doutrinária básica (conhecimento espírita, em geral, e da mediunidade, em particular) do trabalhador espírita, a qual, no principiante, pode estar ou não associada ao afloramento da sua mediunidade.

Como regra geral, o principiante espírita é encaminhado ao grupo mediúnico, após concluída a sua formação básica, desde que ele apresente condições psíquicas e emocionais propícias. Contudo, deve-se considerar
que, para toda regra, há exceção, o que exige bom senso e capacidade de decisão por parte dos que coordenam a atividade na Casa Espírita.

Há situações, por exemplo, em que o médium iniciante pode, concomitante com a aquisição de sua base doutrinária evangélico-espírita, integrar-se a um grupo mediúnico. Nessa situação, ele é companhado de perto, a fim de que a sua formação espírita não seja descurada.

É sempre oportuno lembrar que não é imediato o encaminhamento de participantes que tenham concluído cursos de estudo e prática da mediunidade aos grupos mediúnicos. Deve-se, primeiramente, refletir que não é somente o estudo que habilita o tarefeiro ao exercício da
mediunidade. Há outros critérios a serem observados, quais sejam: equilíbrio emocional, assiduidade, propensão para o estudo, integração na Casa Espírita em atividade de auxílio ao próximo, compromisso com a tarefa, entre outros.

Importa acrescentar que nem todos os espíritas que já tenham formação doutrinária são portadores de mediunidade mais evidente, de efeitos patentes, no dizer de Allan Kardec, e que nem todo trabalhador espírita
tem compromisso com a tarefa mediúnica propriamente dita. Sendo assim, não há obrigatoriedade para a pessoa participar de uma reunião mediúnica, uma vez que na Instituição Espírita há inúmeras outras atividades que mantêm o trabalhador sob contínua ação dos Espíritos.

Contudo, os médiuns que têm mediunidade mais vidente revelam compromisso com a tarefa, já que toda faculdade é concedida tendo em vista um fim específico. Compreende-se, em termos objetivos, como educação do médium, isto é, de sua mediunidade, o período que vai do afloramento da mediunidade até a sua integração efetiva, contínua e harmônica em uma reunião mediúnica, ainda que o aperfeiçoamento dessa faculdade psíquica continue ao longo das reencarnações e vivências no Plano Espiritual.

O médium será considerado apto a se integrar ao grupo mediúnico quando: já consegue discernir, de forma geral, as ideias que lhe são próprias e as que são oriundas dos Espíritos comunicantes; apresenta bom controle (educação) emocional e psíquico, conduzindo-se com respeitabilidade durante as manifestações dos Espíritos; revela esforço de combate às imperfeições e oferece condições para se dedicar com afinco à tarefa; demonstra disposição para servir com desprendimento, mantendo-se atualizado em termos doutrinários.

Nas fases iniciais da educação e do desenvolvimento da faculdade mediúnica, os médiuns devem ser acompanhados de perto por orientadores encarnados experientes, elementos ativos do quadro regular de trabalhadores da Casa Espírita, na Área da Mediunidade.

É importante destacar que cada Instituição Espírita tem suas normas e seus critérios de ingresso à reunião mediúnica, os quais não devem criar conflitos com os princípios espíritas da Codificação, nem de
outras obras de inestimável valor doutrinário.

Nunca é demais acrescentar que o intercâmbio mediúnico implica conhecimentos e cuidados, a fim de se colherem os bons resultados. A melhoria moral, aliada ao conhecimento espírita, oferece obstáculos
às investidas dos Espíritos distanciados do Bem.

Todas as imperfeições morais são tantas outras portas abertas ao acesso dos Espíritos maus. Porém, a que eles exploram com mais habilidade é o orgulho, porque é a que a criatura menos confessa a si mesma. O orgulho tem perdido muitos médiuns dotados das mais belas faculdades e que, se não fora essa imperfeição, teriam podido tornar-se instrumentos notáveis e muito úteis […]. O prestígio dos grandes nomes, com que se adornam os Espíritos tidos por seus protetores, os deslumbra, e como neles o amor-próprio sofreria, se houvessem de confessar que são ludibriados, repelem todo e qualquer conselho. […] Aborrecem-se com a menor contestação, com uma simples observação crítica, chegando mesmo a odiar as próprias pessoas que lhes prestam serviço. […] Devemos também admitir que, muitas vezes, o orgulho é
despertado no médium pelas pessoas que o cercam
. (37)

É também importante ressaltar que a prática mediúnica deve ser precedida de cursos regulares, teóricos e práticos, fundamentais à formação do futuro trabalhador da mediunidade.

O médium tem obrigação de estudar muito, observar intensamente e trabalhar em todos os instantes pela sua própria iluminação. Somente desse modo poderá habilitar-se para o desempenho da tarefa que lhe foi confiada, cooperando eficazmente com os Espíritos sinceros e devotados ao bem e à verdade. (38)

No período inicial do exercício mediúnico, o aprendiz deve desenvolver a capacidade de auxiliar os Espíritos que sofrem, educando-se para agir com equilíbrio e controle.

Tais Espíritos, embora se apresentem na condição de enfermos, devem ser devidamente esclarecidos e acolhidos fraternalmente no grupo, refletindo que a maioria deles, possivelmente, ainda não se acha bem adaptada à vida na erraticidade.

O tempo destinado à educação e ao desenvolvimento da faculdade mediúnica não é o mesmo para todo médium, mas está diretamente subordinado aos esforços de cada um.

Os Espíritos comunicantes, que demonstram graves perturbações, são, usualmente, encaminhados pelos Benfeitores espirituais aos grupos mediúnicos, nos quais a equipe revela melhores condições de atendimento e auxílio, porque nessas reuniões há maior homogeneidade de conhecimento espírita e união de sentimentos e pensamentos.

São grupos constituídos por um número reduzido de participantes, mas que revelam experiência e habilidade no trato com os Espíritos seriamente desarmonizados.

A prática mediúnica, realizada nessas condições, favorece:
» Bom atendimento aos Espíritos portadores de graves desequilíbrios, como perseguidores, casos graves que envolvem suicídios, homicídios, desencarnação por torturas, ingestão de substâncias químicas viciantes
etc.;
» Frequentes manifestações dos benfeitores e orientadores da Vida Maior que esclarecem a respeito do melhor atendimento a tais entidades espirituais;
» Instalação de equipamentos e realização de ações direcionadas para a defesa da Instituição Espírita.

Os integrantes mais experientes desse tipo de reunião mediúnica aprenderam a neutralizar ou amenizar o impacto das influências espirituais perturbadoras, adotando comportamentos de conduta reta, ordeira e moralizadora, além de atualização doutrinária, assim
especificados:
» Controle de emissões mentais, sentimentos e ações inferiores, por efeito da vontade sabiamente administrada;
» Aperfeiçoamento do conhecimento espírita pela participação em cursos, encontros, seminários e estudo de obras espíritas;
» Adoção do hábito da oração e da meditação;
» Integração em serviço de auxílio ao próximo, exercitando, assim, a prática da caridade;
» Empenho no combate às imperfeições, de acordo com os preceitos do Evangelho e do Espiritismo, tendo como guia a seguinte instrução de Paulo, o apóstolo, existente em O evangelho segundo o espiritismo:

Fazei, pois, com que os vossos irmãos, ao vos observarem, possam dizer que o verdadeiro espírita e o verdadeiro cristão são uma só e a mesma coisa, visto que todos quantos praticam a caridade são discípulos de Jesus, seja qual for o culto a que pertençam. (39)

37 KARDEC, Allan. O livro dos médiuns, pt. 2, cap. 20, it. 228.
38 XAVIER, Francisco C. O consolador. Pelo Espírito Emmanuel, q. 392.
39 KARDEC, Allan. O evangelho segundo o espiritismo, cap. 15, it. 10.