Home > Colunista > Como Ser Feliz

Como Ser Feliz

Divaldo Franco
Professor, médium e conferencista espírita
 
Inquestionavelmente, o objetivo essencial da existência humana é a conquista da felicidade.
Difícil, no entanto, é definir-se felicidade para tão diversa massa com necessidades diferentes e aspirações diversas, que é a humanidade.
Desde as mais remotas culturas, de alguma forma houve uma preocupação fundamental para a conquista desse fanal.
Desde as necessidades básicas atendidas até as mais complexas aspirações da consciência contemporânea, constitui o painel quase infinito da plenitude.
No passado surgiram a Filosofia e a Arte com os seus postulados éticos, sugerindo comportamentos que facultam harmonia interior em consonância com os interesses do próximo.
Surgiram as necessidades do ter e do ser, por cujos valores se é possuidor possuído pela posse, portanto, escravo de si mesmo, ou de conseguir superar as aturdidas posses e ser livre, dominando as paixões, honesto como o pensamento da solidariedade e do bem a tudo e a todos.
De imediato, surgiu a escola estoica, em que o sofrimento é superado pelos valores éticos que tornam a vida um presente valioso em qualquer circunstância, mesmo quando a dor se instala no seu organismo e consegue superar mediante a mente bem direcionada.
Os matizes foram sendo alterados de geração em geração, e hoje a felicidade está adstrita às posses que permitem o gozo insaciável, como se o sentido da vida seja o de fruir até o cansaço, quando se instalam o estresse, o vazio existencial, a saturação.
As lutas de classe e os tormentos, que explodem em toda parte, demonstram que a felicidade é o prazer lânguido ou devorador, sem o contributo do Espírito, que é a realidade da vida na sua indestrutibilidade.
Fala-se na igualdade de todos os direitos e deveres sem que estes sejam conseguidos, e a cada dia se fazem mais difíceis os níveis de satisfação com a harmonia íntima da realização pessoal.
Nessa apressada busca do gozo, no abandono dos deveres morais e a sua banalização mediante a embriaguez dos sentidos, na volúpia dos excessos de toda ordem, a sociedade cambaleia na ilusão do passadismo sem planejamento para o estágio de equilíbrio, no qual a paz interior e os ideais de engrandecimento do mundo se tornam essenciais para a existência.
Fazendo-se, porém, uma análise da proposta de Jesus Cristo para uma jornada plena e tranquila, consegue-se perceber que a felicidade é um estado de harmonia que decorre da consciência justa perante Deus, o próximo e si mesmo.
Por que tanto desaire e loucura numa sociedade portadora de equipamentos extraordinários? Porque o ser humano esqueceu-se de sua realidade para pensar apenas na aparência.
Ame-se e ame, portanto, vivendo com serenidade.
 
Artigo publicado no jornal A Tarde, coluna Opinião, em 9 de setembro de 2021.